Budapeste por Budapeste

Outubro 6, 2010

A amarela Budapeste e Costa

Uma ambrosia para os sentidos e em todos os sentidos, Budapeste não é cinza, e sim amarela como mistifica nosso protagonista Jose Costa, mas vamos mais alem, ouvimos as cores e vemos as palavras em um furor sinestésico entre a inspiração, imaginação e criação.è um homem em um território estranho com uma língua estranha, mas esses são o menores dos empecilhos que pode molestar uma alma já sem identidade e ofuscada, onde o verdadeiro território e linguagem realmente desconhecidos  está dentro de nós, e onde a razão e a emoção não encontram pontos de convergência.

 

Anúncios

A coroa cada vez pesa menos.

Setembro 7, 2010

E assim a monarquia ganha ares e contextos familiares, longe dos estereótipos heróicos e mitológicos que os filmes de reis e rainhas ostentavam nos idos do cinema histórico, essa nova onda de mostrar os bastidores das esferas reais pode ter começado com a rainha Elisabeth de Elen Mirren de A Rainha(2006) em uma trama contemporânea do tipo novela de Manoel Carlos, depois vem o show de plumas e paetês da rainha nada modesta de Kristen Dunst em Maria Antonieta de Sofia Coppola(2006) que trouxe contexto histórico pincelado com tintas da cultura pop.Em 2007  Shekhar kapur volta a puxar os babados da saía de sua Elisabeth I(1998), vivida novamente e apenas absolutamente por Cate Blanchet em Elisabeth a era de ouro, que alem do peso da coroa carrega as esferas de mito.

Neste ano somos novamente transportados ao mundo monárquico em A jovem Rainha vitória, uma ótima e surpreendente Emily Blunt vive a soberana do titulo que governa os idos de um novo século e alem de se tornar rainha, ela nos é mostrada como menina, moça e mulher adulta como qualquer outra apesar de nada mais nada menos ser rainha, passando por crisesfamiliares, amores, decepções, erros e moldando sua personalidade a partir disso tudo, é  trama que não tem nada de extraordinário e não faz nada para tentar o ser, apesar da bela e impecável reconstituição de época. Acompanhamos apenas a trajetória de uma mulher que apenas se tornou o que nasceu para ser sem revoltas e “esperneio” (sair bufando e batendo portas é típico dos adolescentes não seria diferente com jovens princesas) o seu único estigma era o de saber onde terminava sua personalidade e onde começava as manipulações para o seu governo, diante disso torna-se uma mulher sensata que se impõe na medida certa e equilibrada, talvez por isso uma personagem na história pouco falada e sem o timing de celebridades que Maria Antonieta ou Elisabeth pipocando em todo fuxico real, um governo marcante por ter sido duradouro e “saudável” por 20 anos.

A convincente Emily blunt e seu consorte.


De verso em verso.

Abril 23, 2010

Os efeitos e sensações arrebatadores que geralmente a musica e filmes musicais promovem, ou tentam promover, chegam a um estágio quase subliminar em Nine. As emoções e conflitos existenciais do ser humano entram no “palco” da sétima arte para promover a quebra de padrões de filmes apenas cantantes e felizes, sem excesso de plumas, paetês e “glamurices”, Nine vem cru e belo com a nota certa na hora certa falando nada mais nada menos que dos pormenores e peculiaridades que a fama pode trazer, especificamente para artistas como o Diretor “maestro” Guido Contini que teve uma vida não tão extraordinária assim para ganhar status de arista, ele, como tantos outros que existem e existiram fazem-se brilhantes apenas por o ser.O efeito metalingüístico do filme nos persegue até o final fazendo, na verdade, uma miscelânea de gêneros cinematográficos onde o sonoro é atenuado pelo show de  beleza e interpretação das mais belas atrizes do cinema atual.   


Longe de casa

Fevereiro 22, 2010

Esta magnífica remontagem de ficção cientifica mostra-se tão grandiosa quanto as batalhas intergalácticas sendo fiel quando promete não deixar quem não viu as antigas versões para a tv e cinema a ver estrelas. Star trek é um mundo que pode ser reinventado a cada década ou ano luz assim que o cinema necessitar de uma cruzada de proporções visuais estonteantes como esta a tripulação da USS interprises estará pronta para cruzar o espaço que limita nosso entendimento do fantástico e futurista. As relações humanas não são esquecidas nesta epopéia universal, até mesmo os extraterrestres não estão imunes a ética e moral dos humanos, fica a deixa que o que é certo e errado daqui também o é(ou deveria ser) em qualquer lugar no tempo-espaço. Com o tempo( e o inteligente uso deste) o volcano Spok (um ótimo Zachary Quinto despido do Sylar de Heroes) deixa sua arrogância de lado e uni-se ao humano Dirk em prol de algo comum onde o universo é que está em jogo e não seus já limitados planetas que um dia costumavam chamar de casa.


A Partida

Fevereiro 3, 2010

As vezes as pessoas acham que estão no caminho certo e que estão seguindo seus sonhos mas na verdade esquecem o real sentido da vida, e nada melhor para relembrar isso é nada mais nada menos que a morte.

É o que acontece com um jovem violoncelista no filme japonês A partida, quando ele vê que sua paixão pelo violoncelo não o traz mais frutos ele parte para sua terra natal e arranja um emprego que seria uma espécie de Agente funerário que cuida dos preparativos para o funeral até a aparência do falecido e assim ele vai aprendendo cada dia mais com a morte e suas intermitências do que ele e todos ao redor dele já imaginou. A comicidade do sutil humor negro que este tipo de profissão vez ou outra carrega dá um to mais leve a um filme que poderia que poderia ter se tornado pesado e dramático.Mas a morte assim como a vida nunca estão sozinhos e sempre carregam redenção, perdão e amor.

O filme também nos faz lembrar que nem sempre podemos tornar nosso talento ou hobby em uma profissão e que o destino sempre reserva algo de diferente que está fora do nosso próprio entendimento.


9

Janeiro 28, 2010

Produzido e apadrinhado por Tim Burton o filme de animação do estreante diretor Shane hacker 9- A Salvação é um belo achado em meio a os filmes do gênero, a história nasceu de um curta deste mesmo diretor em projeto dos tempos de faculdade a temática é bem simples e já foi e já foi abordada antes mas nunca de maneira tão fascinante e graciosa. Em um futuro qualquer a raça humana é extinta pelas maquinas e o único traço restante de “humanidade” encontra-se em 9 “bonecos” que não passam de engenhocas com pedaços de alma humana, o ultimo deste grupo e que também dá titulo ao filme desperta tardiamente para juntar-se a os outros para salvar o que ainda resta humano que ainda vive. Mesmo sendo fixa a idéia de que estamos no futuro o filme carrega traços que nos remetem ao passado…numa época não muito distante da revolução industrial ,por exemplo. A terra se transformou em um grande maquinário onde se tem a impressão de que seu inofensivo liquidificador pode a qualquer momento ganhar vida e te atacar, estes tais bonecos são tão singelos e simples que mesmo sabendo que eles não passam de frutos de uma ciência controversa e que são espécies de maquinas também, é impossível não associá-los a seres humanos neste mundo onde nada tem “vida” cada um com personalidades distintas, emoções distintas mas que fazem parte de uma mesma alma um mesmo bem comum. A jornada do personagem 9 e seus companheiros é mais que uma simples aventura em uma terra sem lei, não apenas eles trazem carregam um feeling humano, mas parece que o destino e suas circunstancias são tão implacáveis como seria aos seres humanos, eles lidam com sentimentos, vontades e perdas, tudo aquilo a que estamos sujeitos. Afinal, o ser humano nem sempre está destinado a finais felizes e revigorantes, onde a única coisa que persiste , inevitavelmente, é a esperança.


Janeiro 18, 2010

Os sentimentos vivem submersos dentro de nós , e vez ou outra pertubados por alguma tormenta eles sobem a superficie e ficam ali, boiando à Deriva sujeitos a uma nova onda que leva-os a praia sem dano algum ou podem ainda sofrer novamente com as inteperies de um mau tempo.Felipa se descobre só e a deriva no mar de descobertas que é a adolescência e faz da natureza seu refúgio mergulhando no mar como se fosse uma forma de se purificar e sumir dentro de si mesma , mas as vezes a unica coisa que se quer e pegar um barco e remar de volta a praia e pisar em terra firme chamada realidade.